Paz com Deus

Paz com Deus

 

Salmo 91:1

Aquele que habita no esconderijo do Altíssimo, à sobra do Onipotente descansará.

 

            O salmista sentindo a necessidade de um refugio e paz perfeita, descobriu que Deus na sua onipotência é o único ser que pode proporcionar esse lugar, mesmo que o homem esteja em meio à grande tormenta. Tendo o Senhor como escudo é capaz de se isolar da guerra e gozar dessa benção.

 

I – Travesseiro marinho

               

            Bem abaixo da superfície do oceano, há uma zona conhecida pelos geólogos como “Travesseiro marinho”. Enquanto na parte de cima do mar acontece à perturbação dos ventos e das tempestades, na parte mais profunda está em paz.

            Simbologicamente comparamos com Deus, o qual no meio de tantas perturbações mundanas nos mostra a perfeita paz, que transpassa para aqueles que compartilham da sua Palavra e andam em Espírito e verdade.

            No Salmo 23, encontramos outra passagem que narra à virtude dos que obedecem ao Senhor, procurando nunca sair dos seus planos divinais.

Salmo 23:1-3

1 – O Senhor é o meu pastor; nada me faltará.

2 – Deitar-me faz em pastos verdejantes; guia-me mansamente a águas tranqüilas.

3 – Refrigera a minha alma; guia-me nas veredas da justiça por amor do seu nome.

 

            Em certa oportunidade que um amigo meu estava em cima de um monte, e havendo naquela região um forte temporal; ele viu uma águia que sobrevoava e ganhava altura para se livrar daquela tormenta. Eram magníficas as suas asas com pingos de água que pareciam partículas de diamantes, pois estavam transparecidos pela luz do sol. Ele percebeu que para livrar daquela situação e ter paz, foi necessário voar bem alto.

            Assim acontece com os seres humanos que para livrar-se das ciladas do diabo, devem ganhar a plenitude do Espírito Santo, e dormir nos verdes pastos prescritos no Salmo 23; O Senhor é meu Pastor, nada me faltará.

 

II – Eternidade de paz.

 

Salmo 27:5

Porque no dia da adversidade, me esconderá no seu pavilhão. No oculto do seu tabernáculo me esconderá, por-me-á sobre a rocha.

            Embora esse texto trate diretamente da morte do crente fiel a Deus, enfatizando que é o momento que mais precisamos de um amigo, e que o único justificador nessa hora é Jesus Cristo.

            Mas temos também a autoridade de colocá-lo em pratica na luta de cada dia, sabendo que nos momentos mais difíceis, o Senhor nos dar alento para escapar do destruidor.

            Raph Connor, conta no seu livro “A historia de Gwen”, uma adolescente que praticava o que queria, desobedecendo a todos.  Vindo um acidente deixando-a paralítica.          

            Uma tarde ela recebeu uma parábola de um missionário que a visitava, e disse: No principio só havia campina, um dia o mestre daquela terra observou que só havia grama naquela região; então mandou que os pássaros trouxessem sementes de todas as flores, especialmente de amenonas e violetas, às que mais gostava.

            Passaram os dias, e vendo ver à região, percebeu que não havia as amenonas e as violetas, aquelas que ele mais gostava. Então ele mandou os pássaros trazerem mais sementes das flores. Vindo o tempo determinado, ele percebeu que as flores não brotaram, e de imediato ele perguntou a campina o porquê de não gerar as suas flores preferidas?

            A campina lhes explicou que essas flores só brotavam em região profunda, como no cânion (cavidade entre dois montes), pois a região plana o vento e o sol as queimam porque são muito sensíveis.

            Naquele momento, o senhor desferiu um rio que fendeu a campina ao meio, a qual gemeu e chorou no golpe. Veio o rio, a sombra e de imediato àquela região começou a brotar com os devidos furtos.

            Após terminar a parábola, o missionário faz um silencio por um pouco de tempo, e a jovem citou: “Na minha campina não existe essas flores”. Então o missionário respondeu: Deus já providenciou.

            Aprendemos que muitas vezes é preciso ser feridos por Deus para encontrar os nossos frutos e a paz interior.

 

III – Paz no calvário

 

Salmo 46:5

Deus está no meio dela, não será abalada; Deus ajudará ao romper da manhã.

 

            É notório que o Senhor planta o carvalho nas partes mais turbulentas das florestas, onde passam muita água, vento e outras tormentas. Tendo como finalidade fortalecer as fibras desta árvore para que ela seja uma das mais bela e resistente no futuro.            Às vezes acontece também conosco que para se ter paz completa com Jesus Cristo é necessário renunciar a luxuria carnal e os deleites pecaminoso, o que para muitos é impossível. Mas para os que verdadeiramente amam a Deus, suporta as adversidades e cedem para espiritualidade.

 

Jesus te ama.

 

Presbítero Robson Colaço de Lucena

Webmaster Alisson Alves de Lucena

Visite o site: http://missaoamerica.googlepages.com

Faça donwloard de Pregação e Musicas em mp3 no site: http://missaomp3.googlepages.com

 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: